Opinião: Leite a

Por João Dinis

E "quando se zangam as comadres sabe-se as verdades"...

É em geral reconhecido que o Sector da Pecuária, Leite/Lacticínios, é emblemático a nível nacional pelo alto nível que atingiu em "modernização" organizacional instalada e em capacidade de transformação do Leite e comercialização de Lacticínios, especialmente a partir do sector cooperativo.

Mas aquilo que os principais decisores governamentais e outros intervenientes nos processos mais específicos não querem reconhecer, é que também é um Sector muito ilustrativo das consequências arrasadoras das más políticas agrícolas injectadas pela PAC e pela "tradicional" subserviência de sucessivos Governos em as acatar docilmente.

Vamos aqui lembrar, como maus exemplos, que em 1992/93 o Governo de então aceitou a antecipação, em alguns anos, do chamado "mercado único" para o Sector do Leite e Lacticínios e, logo a seguir, aceitou o início do processo do chamado "resgate" (compra pública) das "quotas leiteiras" dos Produtores Nacionais para que estes deixassem de produzir. E o anterior Governo, com Assunção Cristas em Ministra da Agricultura, assinou com Bruxelas o fim-final das "quotas leiteiras" - contra a nossa vontade - e assim condenou, a uma "morte antecipada", a maior parte dos (ainda) Produtores Leiteiros e comprometeu a Soberania Alimentar do País também neste sector...

Ou seja, uns e outros são por vezes lestos a condenarem as consequências nefastas das "suas" próprias políticas mas enquanto absolvem as principais causas e causadores... Esperteza "saloia"...

Enfim, toda essa "modernização" e alegada "competitividade", afinal, assentaram sobre os "cadáveres forçados" de dezenas de milhar de pequenas e médias Explorações Leiteiras sendo que, agora, as médias e mesmo as grandes Explorações Leiteiras também estão a ser arrasadas pelo "rolo compressor" desta PAC associada à especulação dos Hipermercados, incluindo na Região Autónoma dos Açores!

"Novidade" é a AGROS contestar publica e duramente a Administração da Lactogal...

A 9 de Agosto, houve uma manifestação de Produtores de Leite – dentro da cidade do Porto e frente ao edifício da Administração da empresa Lactogal – em que a maior "novidade", que de facto é relevante, foi a mobilização dos Produtores e as "palavras de ordem" terem sido protagonizadas por Cooperativas ligadas ao Leite, no Norte, englobadas na AGROS, esta uma União de Cooperativas Leiteiras que também é uma das três "proprietárias" e gestoras da (grande) empresa de transformação e comercialização de Leite que é a Lactogal. O pretexto mais próximo, e publicamente assumido, foi a recente baixa, em 1 cêntimo, do litro do Leite na Produção, aliás um motivo que, por si só, justifica protesto...

Porém:

-- Os promotores desta Manifestação escolheram a cidade do Porto e o edifício Sede da Administração da Lactogal, e não uma das fábricas de transformação onde ainda cheire a Leite (...), precisamente para centrarem, até "fisicamente", a sua contestação no actual Conselho de Administração da Lactogal e seu Presidente em especial. E porquê?...

-- Produziram comunicados públicos claros e exibiram cartazes esclarecedores quanto aos seus principais objectivos. Com ataques, repete-se, ao Conselho de Administração da Lactogal sendo que, nesse mesmo Conselho de Administração, a AGROS tem os seus delegados em igualdade de circunstâncias com as outras duas "proprietárias" da Lactogal também estas emanadas do sector Cooperativo Leiteiro. Ao que foi entretanto divulgado, esses mesmos delegados da AGROS no Conselho de Administração da Lactogal até votaram a favor da baixa, do cêntimo em causa, no Preço do Leite à Produção...

-- Portanto, e de forma indisfarçável, há uma manifesta "guerra" interna no seio da Administração da Lactogal, "guerra" com a qual não é nada certo que os Produtores e sócios das Cooperativas Leiteiras envolvidas venham a ganhar alguma coisa de significativo...

-- Por exemplo, as Organizações envolvidas na Manifestação, lamentavelmente, não referiram as más consequências do fim das "quotas leiteiras" e a necessidade incontornável em serem repostas a nível da PAC cuja reforma está em curso neste preciso momento... E também não mencionaram a necessidade de combater a autêntica "ditadura" comercial imposta pelos grandes Hipermercados que muito prejudica o escoamento e o Preço do Leite na Produção/Transformação.

Preço do Leite na Produção deve subir ao invés de descer!

A grande maioria dos Produtores de Leite "sobreviventes" está a produzir com prejuízo real apesar do trabalho duro que têm nas suas Explorações onde fazem muito mais que ordenhar as vacas que, antes e depois disso, é preciso alimentá-las e tratá-las.

Portanto, uma das condições a garantir é a subida do Preço do Leite na Produção, o que deve ser tentado em vários "tabuleiros" de intervenção, e onde as Cooperativas Leiteiras têm uma palavra a dizer se mantiverem o seu carácter social em proveito maior dos seus sócios, os Produtores de Leite.

Se nos disserem que é difícil, estaremos de acordo mas é indispensável travar a luta com tais objectivos. Aliás, os principais Dirigentes do Sector Cooperativo Leiteiro até que se fazem remunerar bastante bem no exercício das suas funções cooperativas... e tomamos a liberdade de frisar:- funções de natureza cooperativa!

Portanto, vamos – todos! – à luta em defesa do Sector Leiteiro Nacional e dos interesses da grande maioria dos nossos Produtores de Leite!

5 de Setembro de 2018